sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Tese - Pessoas muito agradecidas

Eu estava lembrando hoje das tragédias que ocorreram no Rio de Janeiro por causa das chuvas, lembro que passou no jornal um homem agradecendo por deus ter salvado ele da enxurrada, isso me fez pensar na hora, por acaso não foi deus que mandou a chuva também?

14 comentários:

  1. Muito bem pensado!

    ResponderExcluir
  2. estou seguindo o seu blog ganhou un seguidor
    se quiser seguir o meu agradeço
    tenha um bon final de semana
    http://cleberbinhocomportamentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Deus tinha um propósito...

    ResponderExcluir
  4. Kleber, voce errou muito feio, desculpe te refutar mas, quem mandou a chuva foi sao pedro kkkk

    ResponderExcluir
  5. Isso se encaixa paerfeitamente na tese ateista: "o problema do mau". A profundidade do problema do mau na Terra, se baseia não só na desumanidade do homem como em catastrofes naturais, morte, destruição e entre outros que se encaixam no que eu já citei acima. O problema do mau tem duas facetas: o lado emocional e o lado intelectual. Seu texto, de longe, engloba o lado "emocional", que consiste na sua pessoal "antipatia" com um Deus que permitiria tal catástrofe e tal sofrimento. Como ateu você pressupõe que Deus não poderia ter razões moralmente suficientes por permitir tal mal no mundo. Coloco-me em liberdade de citar um trecho de um texto: "Nós estamos providencialmente limitados em espaço, tempo, inteligência e perspicácia, mas o Deus onisciente e soberano, que vê o término desde o princípio, coordena a história de forma que os Seus propósitos são alcançados, no final das contas, por decisões humanas livres."

    Deus tem seus próprios e absolutos propósitos. Se Deus mandou a chuva, foi por que ele tem um popósito pra isso, e esse homem foi grato por ter sobrevivido a isso, pois esse Deus tem um propósito para ele vivo, aqui na Terra. Temos a concepção de um Deus; justo, amoroso, soberano e piedoso. Nos esquecemos que é também um Deus que se ira e que é onipotente e onisciente. Se pegarmos a base na biblia em relação à salvação muitas pessoas que morreram nessa tragédia foram salvas e estão em um lugar melhor. E se pegarmos a ídeia sobre a provação de Deus perante ao homem, podemos presumir que Ele nos testa a todo momento: Quantas pessoas foram solidárias em vista à essa tragédia? Se uma vida nasce e brevemente morre de forma lastimável, quer dizer que pra alguma coisa vai servir: pra mudar a vida de quem foi ligada a vida desse ser, para mudar o caráter de alguém, mesmo que seja através da morte ou da tristeza. Tem muita gente que tem mudança de vida após passar por uma situação de tristeza e morte, isso pode ser visto em vários lugares, pessoas e circunstâncias.

    Olhando por um outro ãngulo, tudo isso ocorre provavelmente devido (simplesmente) às leis da natureza que o próprio Deus colocou em ação, nas quais estamos sempre sujeitos e vale ressaltar que muitos que morrem devido à essas ctastrofes serão recompensados na vida após a morte.

    Pra finalizar veja por outro ponto: Não temos o livre arbítrio? (Apesar de que essa questão conduz à outra contradição na base de teses ateistas). O homem (quase) sempre faz o que bem quer com sua vida e com o mundo; consumindo, destruindo o que não pode repor, e por ai vai... já é implicído e retórico essa questão, portanto pra resumir: " Deus coordena a história de forma que os Seus propósitos são alcançados, no final das contas, por decisões humanas livres."

    (:

    ResponderExcluir
  6. Erros gramáticos devido ao teclado ruim. Abraços! (:

    ResponderExcluir
  7. Ola Sr. Anônimo,

    Novamente entendo os erros, sem problemas. Gosto muito de comentários nos textos.
    Como afirma que sou ateu? Posse ser Cético ou posso ser agnostico, não acha?
    Por incrivel que pareça eu nunca li essa tese "problema do mau".
    Deduzo que você fala sobre o deus cristão, no caso Elohim, ou Yahw (lembre-se, existem vários deuses na história da humanidade, e todos tem nome). A biblia não fala de livre arbitrio meu caro, ela fala de pré destinação, livre arbitrio foi uma "tese" protestante, aprimorada pelos neo pentecostais, não é tese ateista, ou "ceticista". No caso se deus mandou a chuva, e salvou o jovem em questão, ele salvou o ser na situação em que ele causou. Se se eu coloca-se fogo na sua casa e tirasse você de lá, e você iria me chamar de herói, ou de bandido?

    Mas como sabemos que deus não tem nada a ver com isso, nem com a criação do mundo, a chuva foi uma catastrofe infeliz e o cidadão teve muita felicidade em se safar!

    Um grande abraço Sr. Anônimo!

    ResponderExcluir
  8. "Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência" Dt 30:19.

    A passagem acima não ensina que o homem tem capacidade de fazer uma boa escolha espiritual, apenas que uma escolha foi posta diante dele. E o que eles escolheram? A história comprova que eles, escolhendo livremente de acordo com sua natureza caída optaram pela morte e maldição. Deus, que não precisa do testemunho da história, já sabia disso, pois disse a Moisés poucos versículos adiante: "eis que estás para dormir com teus pais; e este povo se levantará, e se prostituirá indo após deuses estranhos na terra para cujo meio vai, e me deixará, e anulará a aliança que fiz com ele" (Dt 31:16). Deus não botava muita confiança no livre-arbítrio daquele povo. Moisés também não, pois acrescentou, dirigindo-se ao povo "porque conheço a tua rebeldia e a tua dura cerviz. Pois, se, vivendo eu, ainda hoje, convosco, sois rebeldes contra o Senhor, quanto mais depois da minha morte?" (Dt 31:27).

    Com base nisso que foi tirada a tese sobre o livre arbítrio, que, aliás, não foi citado em nenhuma parte do texto por mim como algo extraído da bíblia ou dessa vertente do evangelicalismo, o neopetencostalismo.

    Falo sim sobre Elohim, Javé, Jeová ou qualquer outro nome pessoal de Deus baseado no Tetragrama ou nas religiões judaico-cristãos.

    Não mencionei que era uma tese ateísta ou "criticista": "(Apesar de que essa questão conduz à outra contradição na base de teses ateístas)" Se você não entendeu, eu quiz dizer que essa questão (a do livre arbítrio) conduziria á contradições baseadas em TESES ATEÌSTAS, não disse que a tese era o livre arbítrio, o livre arbítrio apenas conduziria á essas teses.

    Sobre o "jovem" em questão (sabe-se lá se é jovem mesmo, pois foi mencionado como "homem") a catástrofe não foi bem causada apenas por ele, e Deus como sabe de todas as coisas, teve seu propósito em salvar esse "cara". Em relação ao seu exemplo, tudo, se tiver uma razão vinda de deus é significativo e indubitável; se houvesse um propósito bom em relação a minha salvação caso você pusesse fogo em minha casa e me tirasse de lá, te chamaria de herói, pois creio que há algo além dos planos terrestres, que é o que diverge nossas opiniões. Se você esse deus ( onisciente e soberano ) e colocasse fogo em minha casa, quer dizer que pra algo serviria na minha vida, tanto terrena quando "celestial".

    Acabei pré-julgando sua convicção. Também entendo seus erros no texto, recíproco, obrigado!!

    Grande abraço, velho!

    ResponderExcluir
  9. Caro Sr. Anônimo,

    Entendi o que você escreveu ,posso não ter me expressado bem, porém a Bíblia realmente fala de pré-destinação, eu que falei que é uma tese protestante foi calvino que começou com isso, e os neo-pentecostais aprimoram a idéia (baseado em estudos). Em relação a chamar de herói o cidadão que vai colocar fogo em sua residência, nem vou comentar, más como você saberia que foi deus que mandou?
    É assim que nascem fundamentalistas, do tipo que explodem em nome de Allah.

    Abraço ai Sr. anônimo, coloca o nome ai!

    ResponderExcluir
  10. Acho que ambos fomos equivocados em relação ao suposto incidente, inclusive eu. Você fez uma comparação entre o incidente citado no seu texto original e o incidente mostrado como exemplo, sobre o incêndio. Fui extremamente equivocado, não me envergonho em dizer que chamaria de herói a pessoa que botou fogo meu "suposto" lar, devido aos seguintes fatos: Deu a entender que você fez uma comparação bastante visível: "Se se eu coloca-se fogo na sua casa e tirasse você de lá, e você iria me chamar de herói, ou de bandido?" No caso, presumo que você seria "deus", e incendiaria a minha casa, essa foi uma comparação direta e explícita ao seu texto original que diz:
    "...agradecendo por deus ter salvado ele da enxurrada, isso me fez pensar na hora, por acaso não foi deus que mandou a chuva também?"
    Então no caso, creio que eu seria esse homem que agradeceu a Deus por ter sido salvo da chuva, e essa ação de agradecimento é comparada com a parte da sua tréplica em que eu supostamente te agradeci por ter me salvado (mesmo, presumo, sabendo que foi você quem incendiou minha própria casa). O erro foi que eu não quis dizer que chamaria de herói quem botou fogo em minha casa, não nesse sentido literário e não-abstrato. Se deus fosse esse cara que botou fogo em minha casa e me salvasse, e se com base, eu soubesse da soberania e onisciência desse deus, o chamaria de herói. Não estamos tomando como base a comparação originalmente feita. Se alguém botasse fogo em minha residência, não o chamaria de herói, eu agradeceria a Deus por estar vivo, não a pessoa, mesmo se fosse ela própria que me tivesse salvado, pois ela faria algo sem razão, tomando base nas circunstâncias e atitudes do homem que não é Deus, (soberano e onisciente) de acordo com o que eu acredito. Portanto se no caso do suposto incidente eu agradecesse a Deus por estar vivo e não chamasse o cidadão de herói, esse fato estaria relacionado com o que aconteceu de acordo com o seu texto original. E eu realmente não saberia se foi deus quem mandou, mas agradeceria a Deus, não chamaria o cidadão de herói, mas como disse: se tomarmos base na comparação direta entre sua tréplica e o seu texto original, certamente o chamaria de heróis, pois ele seria soberano e onisciente, no caso ele seria de forma direta; deus.

    Acho que por agora não vou colocar meu nome, não leve a mau não, beleza? (:
    Abração, cara!!!!

    ResponderExcluir
  11. Pelo menos gostei dos seus textos: "Big Bobo Brasil" e "Hits de carnaval".. Temos alguns pensamentos comuns em relação a essas coisas.

    abração!

    ResponderExcluir
  12. Engraçado né, o povo constrói nas beiras do morro é o culpado é Deus.

    ResponderExcluir
  13. O engraçado é que tem gente que não sabe ler né, ninguém colocou a culpa em deus, só falou que por acaso deus não mandou a chuva, e lembre-se não foi so casa no morro que desabou nesta época!!

    ResponderExcluir