segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Enfim acabou o período eleitoral


Enfim passaram-se as eleições, e tudo aquilo de tenebroso que as eleições trazem como as versões horripilantes do “eu quero tchu, eu quero tcha”, das desgraçadas, ridiculas , belas canções do Michel Teló, e como se não piorasse as versões “gospel” das músicas dos políticos. Mas o que me espanta ainda é o ponto X das eleições, boa parte dos brasileiros encara as eleições como se fosse disputa de futebol, e digamos, formam-se até torcidas organizadas a respeito, e os amigos, tornam-se rivais fervorosos, e arrisco a dizer que até os vandalismos decorrentes das torcidas organizadas ocorrem como aquele monte de papel no chão.

O mais triste é que eleições são mais complexas que futebol em si, e o povo ainda insiste em acreditar em soberania popular, no “democraticamente” justo, na vitória do povo, entre outros jargões que só servem para te fuder iludir. O grande problema é que, ao contrário do futebol onde você faz suas reclamações, protestos, e o dirigente diante da pressão, acaba por despedir quem não está rendendo, na política não da pra você tentar despedir esse “jogador”, no mínimo você vai ter que esperar por quatro anos, sei que você deve estar lembrando-se dos caras pintadas, mas vamos pressupor que você não é tão retardado ingênuo de pensar que aquilo realmente derrubou o Collor.

Situação mais ridícula, são as provocações como se fosse no clássico de Cruzeiro e Atlético, coisa do tipo “chupa, seu candidato perdeu”, o problema é que esquecemos que se o candidato que você votou ganhou, ele deixa de ser um candidato “seu” e passa a ser o representante da população. O pior se você esquece deste principio básico, como você vai impor seus direitos? Melhor dizendo, se você não sabe nem o que um vereador faz, e digo de antemão que o trabalho dele não é te dar sacos de cimento, dinheiro e coisas particulares, como você vai cobrar o serviço dele?

O que vi em muitas eleições foi simplesmente o excesso de ignorância da população, que se deixa manipular apenas por boatos, conversas, frases de efeito, promessas de emprego pra filho, etc.

O que quero expor aqui de forma bem simples, é que o político se alimenta da sua ignorância, no caso o mau político, e pra ele é muito importante que você ache que as eleições não passam de um mero clássico do seu time de futebol, ou da vitória do mocinho sobre o vilão igual acontece na sua telenovela preferida. Depois dessa festa, começam as reclamações do tipo “político não presta”, “político é tudo safado”, na verdade a culpa é nossa de não saber escolher, e nem saber cobrar!!